Ele quebrou a regra para cumprir a Lei.


 

Preciso dizer que…

Te amo! Mas será que é a hora certa?

Descubra quando abrir o coração

 

"E eu não sei a que  horas dizer

Me dá um medo (que medo)

 É que eu preciso dizer que eu te amo  

 Te ganhar ou perder sem engano 

 Eu preciso dizer que te amo, tanto".

 

 

Não são poucas as pessoas que, mesmo sem nunca terem prestado atenção à música, passaram por situação parecida à descrita por Cazuza neste trecho. "Eu te amo" é aquela frase ao mesmo tempo sublime e forte, esperada e temida, capaz de assustar ou derreter corações. Não por acaso, tem muita gente que fica numa dúvida cruel sobre qual é o momento certo para confessar à pessoa amada o seu amor.

 

‘Eu te amo’ pode ser dito preferivelmente quando isso for verdade. O problema é que essa expressão, em nossa cultura, tem um sentido eterno, duradouro, ligado a apego e a estabilidade afetiva

 

Foi o que aconteceu – algumas vezes, por sinal – com a estudante Clara Rangel, de 24 anos. Romântica, ela sempre teve muito cuidado ao expressar seus sentimentos para os rapazes de quem gostava. "Nunca fui de sair falando ‘eu te amo’ para qualquer um. Acho essa frase muito intensa, algo que só deveria ser dito com sinceridade e com a plena certeza de que o sentimento em questão é mesmo o amor(eros)", opina ela, que crê nunca ter se arrependido de um "eu te amo".

 

"Quando era mais nova, tive um amor platônico e depois de muito tempo resolvi confessá-lo. O cara não queria nada comigo, mas mesmo assim eu disse o que sentia, pois estava certa de que queria apenas contá-lo. Digamos que ele não era muito sensível, além de ser meio mulherengo, mas fiquei sabendo que ele ficou ‘balançado’ com a minha declaração", relata.

 

Com o seu atual namorado, Clara também soube esperar pelo tal "eu te amo". "Nós já tínhamos começado a namorar, eu gostava muito dele, mas não me sentia totalmente segura para considerar aquilo algo tão sério. Só que, um belo dia, ele me surpreendeu com a frase.

 

O cenário era digno de filme, com direito a praia e pôr-do-sol. Não resisti. Aí eu senti que foi uma das coisas mais verdadeiras que já disse", conta a estudante, que está há três anos namorando a mesma pessoa. "Acredito que hoje o ‘te amo’ está perdendo o significado para muita gente. As pessoas perdem a noção do que é amor. É claro que todos devemos amar e expressar isso, mas é preciso ser sincero. Tudo tem seu tempo", diz.

 

 

Palavras apenas?

 

O poeta Carlos Drummond de Andrade já avisava, em um de seus poemas: "Não facilite com a palavra amor".

 

De fato, segundo a psicóloga Ana Maria Zampieri, terapeuta sexual e de casais, o "eu te amo" pode estar banalizado em nossa cultura, assim como traduzir diversos significados e em intensidades diferentes.

 

"Sabemos que muitas pessoas, especialmente homens, dizem esta ‘frase mágica’ em momentos em que pode tornar uma mulher mais receptiva a sua conquista sexual, por exemplo.

 

As mulheres costumam ser mais verdadeiras nessa revelação, mas casos em que elas também o fazem para seduzir alguns homens, seja sexualmente, afetivamente, ou para se manter em uma relação de conveniência", afirma a psicoterapeuta.

 

Sandra Mattos, de 28 anos, por exemplo, se arrepende das vezes em que acreditou em uma declaração amorosa e em que disse que amava alguém em vão. "Da primeira vez, eu era muito nova, inconseqüente e até inocente. Disse ‘eu te amo’ para um namoradinho que mal conhecia e que na semana seguinte me traiu com uma vizinha. Depois ainda ficou contando vantagem. Na segunda vez, um rapaz me levou para cama ao fazer juras de amor. Era tudo mentira e ele me largou em seguida", conta Sandra. Desiludida, ela aprendeu a ter cuidado com o que fala e o que ouve. "Agora estou casada, mas tive que mudar meu comportamento para não sofrer", ressalta.

 

Então, será que existe mesmo a "hora certa" para se dizer "eu te amo"?

 

Para a psicóloga Ana Maria Zampieri, isso é relativo, mas todas as pessoas deveriam apostar na sinceridade, em qualquer tipo de relação. "’Eu te amo’ pode ser dito preferivelmente quando isso for verdade. O problema é que essa expressão, em nossa cultura, tem um sentido eterno, duradouro, ligado a apego e a estabilidade afetiva. No entanto, essa frase pode ser totalmente verdadeira e presentificada, ou seja, alguém sente esse ‘eu te amo’, mas naquele momento único, sem comprometimento de relacionamento estável e duradouro", observa. Segundo ela, é aí que a ilusão pode se instalar em quem ouviu a frase e acreditou no tal amor incondicional, que nem sempre é garantido.

 

 

 

Sem banalizar o amor

 

 

Como recorda a psicoterapeuta, mais graves ainda são os casos de desonestidade na afirmação, em que se engana outras pessoas ou brinca-se com os sentimentos alheios por pura comodidade ou conveniência.

 

"Na minha clínica, ouço homens de todas as idades me revelarem que dizem ‘eu te amo’ só para conquistarem sexualmente uma mulher, sabendo que isso não corresponde à verdade, mas que é uma boa arma de conquista", comenta.

 

Mas é bom lembrar que, ao contrário do que possa parecer, os homens também amam e confessam isso. É o caso de Eduardo*, que acredita que esse tipo de declaração deve ser usada, sim, com critério. Ele também resolveu esperar sentir-se seguro para declarar seu amor, embora tenha feito isso em um momento considerado cedo demais para muitos e, a princípio, não muito propício.

 

De acordo com Eduardo, o primeiro "eu te amo" de verdade, para algumas pessoas, é como o primeiro beijo – difícil esquecer. Especialmente se for de surpresa, ou depois de pisar na bola com a pessoa amada, como aconteceu com ele:

 

"Nunca tínhamos nos visto pessoalmente, não namorávamos, éramos só amigos ‘virtuais’, e eu disse que a amava no dia em que a magoei pela primeira vez, logo após ter ficado com outra pessoa. Tinha tudo para dar errado, não é? Só que dez dias depois, ela aceitou o meu pedido de namoro. Estamos juntos há dois anos", revela ele, garantindo que continua dizendo ‘eu te amo’ todos os dias. "E, apesar disso, essas palavras continuam sendo muito especiais e verdadeiras para nós dois", completa.

 

 

* O nome foi alterado a pedido do entrevistado.

 

 

 

Mônica Vitória

Bolsa de Mulher

 

 

Questões como esta não são tratadas com o devido respeito pela Igreja, ciência e visão bíblica devem andar juntas, e nos púlpitos só se ouve falar  n’quilo: grana. A juventude anda completamente perdida nessas questões que além de emocionais, têm muita testosterona envolvida, homens atraídos pelo que vêem e mulheres pelo que ouvem. 

 

Muitos jovens saem da Igreja só para ter a primeira relação sexual, é difícil segurá-los com tanto apelo.

 

…  estou cansada de ver adultos usando gírias e se mascarando de modernos, falando um monte de abobrinhas para manipular e impressionar essas "crianças" para ganharem prestígio e notoriedade, que não merecem.

 

Pior é aquela caretice: "só vamos falar para casais que estão namorando, ou noivos" esses não precisam, se estão namorando já estão mais equilibrados, tem que falar para os que estão ficando, isto é: com todo mundo.

 

Dias desses um menininho da minha célula de 10 anos falou que no time de futebol da irmã todas as meninas dão em cima dela, eu fiquei passada…

 

Ainda bem que não nasci ontem, se fosse depender do papo na Igreja não teria argumentos.

 

Outro dia fui parar no blog de um autodenominado cafajeste, e o cara falou tanta verdade no meio de seus affairs, as táticas para sedução, não coloco o endereço aqui, porque creio que nós que já fomos do mundo, temos material de sobra para criar seminários em torno de cristianismo e sexualidade.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: