Ele quebrou a regra para cumprir a Lei.

Posts marcados ‘Maná da Segunda’

Pressão Social


 

Pressão Social

Por Robert J. Tamasy

 

 

 

Enquanto crescia era freqüentemente lembrado dos perigos da pressão social e da influência negativa dos que tomam decisões erradas e apresentam comportamentos inaceitáveis. “Você não deve ficar andando por aí com pessoas assim”, diziam meus pais. A pressão social aparentemente era algo muito ruim. 

 

 

 

Mais tarde, porém, percebi que pressão social pode ser uma coisa boa: depende de quem escolhemos para nos associar. Isso é verdadeiro para todas as áreas da vida – trabalho, lazer, saúde,  espiritualidade. Ao longo de 10 anos de carreira jornalística foi extremamente útil o tempo que passei com pessoas que admirava, como escritores, editores e fotógrafos. Imitava suas habilidades e eles me encorajavam com valioso conhecimento. Para construir uma carreira bem-sucedida seria recomendável passar algum tempo com aqueles que são referência na área pretendida.   

 

 

 

Para aprender tênis, por exemplo, ficou claro que eu precisava jogar com quem fosse melhor do que eu, para observar sua técnica e seu jogo e melhorar minha performance. Embora nunca tenha sido grande jogador, competir com adversários melhores, me motivava a fazer o meu melhor. Este princípio se aplica a qualquer área de interesse

 

 

 

Recentemente li num artigo, que uma rede de relacionamento contribui para boa saúde física e emocional. Os que vivem em isolamento e solidão têm 400% de risco maior de morte prematura. Em contrapartida, os que têm o suporte de outras pessoas estão mais bem equipados para vencer problemas graves de saúde. Como ser integral, o lado positivo da pressão social nos beneficia espiritualmente.

 

 

 

Tenho tido o privilégio de desfrutar da amizade de homens e mulheres devotados a viver segundo sua fé em Deus. Eles me têm ensinado que a jornada espiritual não consiste apenas em adquirir informação e conhecimento, mas em aprender como integrar crenças e valores à forma como orientamos nossa vida cotidiana.  

 

 

 

A Bíblia afirma: “E consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros” (Hebreus 10.24-25).  Vejamos outros pensamentos sobre pressão social: 

 

 

 

. Escolha parceiros certos. Sem dúvida vamos ser afetados por aqueles com os quais nos juntamos. É preciso ser seletivo sobre cada um que ocupa nosso tempo. “O homem honesto é cauteloso em suas amizades, mas o caminho dos ímpios os leva a perder-se” (Provérbios 12.26).

 

 

 

. Escolha as qualidades que quer ver em seus amigos. Que traços de caráter você busca em uma amizade? Assim como a tinta que ainda não secou mancha aquilo que tocar, qualidades de caráter daqueles com quem nos associamos também se apegará a nós, para o bem ou para o mal. “Aquele que anda com os sábios será cada vez mais sábio, mas o companheiro dos tolos acabará mal” (Provérbios 13.20).

 

 

 

. Escolha as qualidades que quer ver em você.  Já que a influência de nossas companhias é inevitável, se determinarmos de antemão as características que queremos cultivar em nossa própria vida, podemos escolher nossos amigos e relacionamentos de forma a nos ajudar a desenvolvê-las. Alguém disse: “É difícil voar como águia, quando se passa tempo com perus”. “O violento recruta o seu próximo e o leva por um caminho ruim”  (Provérbios 16.29).

 

 

Anúncios

Em busca da Excelência




 

 

Em Busca da Excelência

Por Rick Warren

 

A cada quatro anos os Jogos Olímpicos fazem dramática exibição da busca por excelência. Talentosos e bem treinados atletas são expoentes máximos de sua categoria. Embora a competição se dê em diferentes eventos, todos compartilham traços comuns. Quais as características dos homens e mulheres que, como os atletas olímpicos, sobressaem no que fazem? Em minha experiência descobri que não há fonte melhor do que a Bíblia para identificar os traços dos que chegam ao topo: 

 

1. Os que alcançam excelência trabalham com entusiasmo. O poeta Ralph Waldo Emerson disse: “Nada realmente grande jamais foi alcançado sem entusiasmo. Não importa se a tarefa é grande ou pequena, faça o seu melhor”. Os que apresentam as melhores performances empenham o melhor de seus esforços, não importa o tamanho da platéia. “Seja qual for a tarefa, coloque nela o seu coração e alma por inteiro, como um trabalho feito para o Senhor, e não meramente para homens” (Colossenses 3.23). 

 

2. Os que alcançam excelência aprimoram suas habilidades.  Jamais param de se aperfeiçoar, de crescer, de aprender e se desenvolver. É preciso mais que desejo de atingir excelência: é preciso habilidade. “Se o machado está cego, e o seu corte embotado, mais força é necessária, porém a perícia produzirá o sucesso” (Eclesiastes 10.10). Lembre-se: você jamais estará perdendo tempo, ao usá-lo para afiar seu “machado”. 

 

3. Os que alcançam excelência mantêm sua palavra.  São confiáveis. Pode-se contar com eles porque cumprem o que prometem. Sobressaem porque pessoas íntegras são raras em nossa sociedade. Afinal, confiabilidade supera o talento.“Todos falam muito acerca do quanto são leais e fiéis, mas experimente só encontrar alguém que realmente o seja!” (Provérbios 20.6). 

 

4. Os que alcançam excelência sustentam uma atitude positiva.  Mesmo sob pressão, enfrentando mudanças ou exigências realísticas, eles não se permitem tornar-se negativos. Os queixosos jamais se distinguem em coisa alguma a não ser em se lamentar. “Façam tudo sem murmurações ou contendas… e irão reluzir como uma luz num mundo em trevas” (Filipenses 2.14-15). E lembre-se: “Se o seu patrão se zangar com você, não largue seu emprego!  Uma resposta mansa ajudará a acalmar os nervos dele.”  (Eclesiastes 10:4).  

 

5. Os que alcançam excelência vão além do que se espera deles.  Este é o segredo que pessoas de sucesso descobriram. Você nunca se distinguirá fazendo apenas o que lhe é solicitado, ou seja, o mínimo. Jesus disse: “Se alguém lhe obrigar a caminhar um quilômetro, faça mais que isso, segue com ele dois quilômetros” (Mateus 5.41). 

 

O compositor e produtor musical Oscar Hammerstein contou sobre quando olhou o alto da cabeça da Estátua da Liberdade de helicóptero. Impressionou-o os detalhes incríveis que Frederic-Auguste Bartholdi, artista francês que criou a famosa estátua, esculpiu naquela área e que, talvez, jamais esperasse que alguém fosse ver. Ele não tinha a mínima idéia que alguém, algum dia, fosse capaz de voar por cima de sua estátua e estudá-la! 

 

Quando se sentir tentado a tomar atalhos, pensando que ninguém jamais saberá disso, lembre-se: “Nada, em toda a criação, está oculto aos olhos de Deus. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a Quem havemos de prestar contas” (Hebreus 4.13). Nesta semana, em tudo o que fizer, dê o melhor de si mesmo.

 

 

Feliz dia do amigo!!!


 

Identificando Amigos

Por Jim Mathis

          

         

Tenho pensado muito ultimamente em amizade. O problema é que há poucas expressões adequadas para descrever a gama de relacionamentos positivos nessa área. As mais comuns são amigo e conhecido.

 

Há pessoas que conheço há muitos anos e por quem tenho grande respeito e são para mim mais do que conhecidas. Se as chamar de amigas, que nome darei aquelas que vejo com freqüência e com quem tenho experiências e interesses em comum? Chamá-las de amigas íntimas ou a expressão comum em mensagens de texto, BFF, (best friends forever – amigos para sempre), fica  muito simplista.

 

A laje para construção de relacionamentos são experiências e interesses compartilhados, que variam de um relacionamento para outro. Meus amigos mais chegados são pessoas com as quais  toco junto. A música fala diretamente ao coração. Tocar constrói relacionamentos fortes através de experiências partilhadas, paixões similares e emoções vigorosas. Outros músicos também estão entre meus melhores amigos, dada a linguagem e interesse comuns. 

 

Certa vez perguntei a uma colega música se ela tinha algum bom amigo que nunca fora ouví-la tocar e ela disse: “Escolhi dedicar minha vida à música. Se um amigo jamais se deu ao trabalho de vir e me ouvir tocar é porque não é assim tão amigo”. Se alguém demonstra desdém pelas coisas que você ama será difícil o cultivo da amizade.

 

Junto com a música, a fotografia é outra paixão minha. Ela é um objetivo pessoal, enquanto a música é um esporte em equipe. Por isso, não tenho tantos amigos fotógrafos como tenho entre os músicos. Mas se você gasta 50 anos tentando tirar belas fotografias e alguém lhe diz, “Como pode admirar a vida com esta coisa (câmera) diante do seu rosto?”, será difícil considerá-lo amigo.

 

Há outra dimensão na amizade repetidamente destacada no livro de Provérbios. Essa dimensão, expressa de várias maneiras, é o compromisso.

 

– Compromisso incondicional.  O verdadeiro amigo é alguém em quem podemos depender nos bons e maus momentos. Quando as coisas vão mal ele permanece ao lado, pronto a oferecer ajuda e suporte necessários. “O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade” (Provérbios 17.17). 

 

– Compromisso focalizado.  Não há nada de errado em apreciar a companhia de muitas pessoas, mas os laços que nos ligam a um amigo de verdade são especiais e raros. São relacionamentos que devem ser guardados como tesouro. “Quem tem muitos amigos pode chegar à ruína, mas existe amigo mais chegado que um irmão” (Provérbios 18.24).

 

– Compromisso leal. Na maior parte do tempo as amizades são agradáveis e divertidas, mas o amigo verdadeiro se importa o suficiente para corrigir e até mesmo nos repreender se necessário. “Quem fere por amor mostra lealdade, mas o inimigo multiplica beijos” (Provérbios 27.6).

 

  Amém

 

Autografe seu trabalho


 

Autografe seu Trabalho

Por Robert J. Tamasy

¤¸.•“´¤¸.•“´¤ `“•.¸¤`“ •.¸¤
    `•.¸ ¤¤`•.¸.  

 

 

 

Se você fosse avaliado com base na qualidade do último projeto que realizou, qual seria o resultado? É sempre um desafio para mim dar o meu melhor em tudo que faço. Ás vezes me sinto cansado, com falta de energia para fazer o melhor. Em outras ocasiões não me sinto tão motivado quanto deveria, com pouco ou nenhum entusiasmo para a tarefa proposta. Ocorre, também, não estar convencido do valor do que me foi pedido fazer.

 

 

 

Um pôster no meu escritório me recorda da importância do meu melhor desempenho, não importando a tarefa. Nele diz: “Qualidade: todo trabalho é um auto-retrato de quem o realizou. Autografe seu trabalho com Qualidade.”

 

 

 

Ao ler essa frase, uma de duas coisas acontece: ou ela me inspira, reforçando meu desejo de fazer o melhor que posso, ou ela me condena, fazendo-me lembrar que fiquei satisfeito com algo aquém do melhor. Será que quero, de verdade, “autografar” um trabalho de qualidade inferior?

 

 

 

Li uma intrigante citação de Pearl Buck, consagrada escritora que cresceu na China, recebeu o prêmio Pulitzer pelo romance, “A Boa Terra” e ganhou o Nobel de Literatura em 1938. A declaração dela não menciona a palavra “qualidade”, mas fala em excelência: “A alegria secreta no trabalho está contida numa palavra: ‘excelência’ – saber como fazer alguma coisa muito bem é apreciá-la”.

 

 

 

Há outra razão para se realizar um trabalho com alto padrão de qualidade, além da boa reputação e da auto-gratificação: Deus aprecia Qualidade e espera que mantenhamos alto padrão! Vejamos algumas considerações que a Bíblia diz a respeito:

 

 

 

. Refletimos a natureza de Deus. Deus criou um mundo ideal, com equilíbrio preciso e adequado entre os elementos, para dar suporte à vida. O Homem foi Sua criação final. “Criou Deus o homem à Sua imagem. E Deus viu tudo o que havia feito e tudo havia ficado muito bom” (Gênesis 1.27,31).

 

 

 

. Trabalhamos pela aprovação de Deus. Se lhe pedissem para realizar uma tarefa para o líder do seu país, ou para a pessoa que mais admira no mundo, como isso afetaria a qualidade do seu trabalho? “Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens.”  (Colossenses 3.23). 

 

 

 

. Seguimos instruções de Deus. Na Bíblia Deus provê um manual para a vida diária, inclusive para o ambiente de trabalho. Pelo estudo e pela obediência podemos usar a Bíblia como nossa diretriz para viver e trabalhar, como é a intenção do Criador. “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade”  (II Timóteo 2.15). 

 

 

 

. Executamos os propósitos de Deus. Embora possa parecer fruto do acaso, Deus tem uma razão primordial para o lugar onde estamos, o tipo de serviço com que mais nos identificamos e as pessoas com quem trabalhamos. “Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos” (Efésios 2.10).

 

 

 

 

Investindo na capacitação dos outros


 

    Investindo na Capacitação de Outros
                          Por Jim Mathis
 

 

Minha esposa Louise e eu estivemos fora da cidade por alguns dias. Ao retornar à nossa Cafeteria  notei uma banqueta de bar no quarto dos fundos. Tinha sido colocada lá por causa de alguns parafusos frouxos. Peguei uma chave de fenda, apertei os parafusos e coloquei-a de volta ao balcão, deixando-a outra vez disponível para nossos clientes. Foi quando me ocorreu que qualquer um de nossos 15 empregados teria sido capaz de apertar esses parafusos e consertar a banqueta. Mas, em vez de esperar que um deles tomasse essa iniciativa, entrei em ação.

 

 

Quando contei esse episódio para outros proprietários de pequenos negócios, concordaram que esse tipo de problema é comum. Nos tornamos tão acostumados a resolver problemas, que inadvertidamente habituamos nosso pessoal a esperar que abordemos seus problemas, não importa o quão pequenos possam ser.   

 

 

Me dei conta de que, não permitindo ou não insistindo que outros solucionem os problemas quando eles ocorrem, crio muito mais trabalho para mim e, ao mesmo tempo, impeço o crescimento do negócio e dos funcionários. Talvez por isso muitas empresas exigem que uma nova pessoa assuma a liderança, para que o negócio cresça e atinja nível mais elevado. O empresário fundador simplesmente não está disposto – ou não está capacitado –  a delegar responsabilidades de modo apropriado.  Creio ter aprendido a lição, mas a verdade é que fazer as coisas eu mesmo já faz parte da minha estrutura. “Capacitar” outras pessoas não é algo fácil para mim.

 

 

Parece que, em se tratando de negócios, há basicamente dois tipos de pessoas:

(1) o tipo corporativo, que pode dizer com facilidade: “Este não é meu trabalho” e;

(2) o tipo empresarial, como eu, que pensa que tudo é trabalho dele. Pela minha experiência parece difícil encontrar um terreno intermediário.

 

 

A capacitação de outros – delegação de autoridade e responsabilidade – é tema recorrente na Bíblia.

 

No livro de Gênesis, Deus levou Noé a construir uma arca para se tornar um santuário para sua família e os animais que seriam preservados do dilúvio (Gênesis 6:9-22).

 

Antes disso, lemos sobre a criação do mundo por Deus. Portanto, teria sido bem fácil para Deus construir a arca Ele mesmo. Ao invés disso, Ele atribuiu essa tarefa a Noé.  Na libertação dos israelitas da tirania do Egito, Deus guiou Moisés para ser Seu mensageiro e guiar o povo à Terra Prometida. Depois de permitir que Moisés avistasse a Terra Prometida do alto do monte Nebo, Deus delegou essa responsabilidade para Josué, assistente de Moisés.

 

 

O maior exemplo de líder delegando autoridade é encontrado depois da ressurreição de Jesus e Seu aparecimento aos Seus seguidores. Pouco antes de Sua ascensão, Ele lhes disse:

– “Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, ensinando-os a obedecer a tudo o que Eu lhes ordenei” (Mateus 28.18-20).

 

  

Se o Deus Todo-Poderoso acha apropriado delegar parte do Seu trabalho a outros, não deveríamos fazer o mesmo?

 

 

Encarando Conflitos


 

Encarando Conflitos

Por Rick Boxx

 

Eu me sinto desconfortável com conflitos. Mas aprendi a respeitar as pessoas que se mostram dispostas a confrontar discordâncias diretamente, quando acreditam que isso pode resultar na solução de um problema. Um desses raros indivíduos é meu bom amigo Raimundo. 

 

Nada é varrido para baixo do tapete quando Raimundo está perto. Você sabe, aqueles problemas que todo mundo sabe que existem, mas ninguém tem coragem e determinação para lidar com eles. Ao contrário, nós os ignoramos, torcendo para que desapareçam de alguma maneira.  

 

Com Raimundo não é assim. Se alguma questão difícil precisa ser abordada numa reunião é ele que a coloca à mesa, abrindo a discussão o mais rápido possível. Alguns consideram essa abordagem como um confronto desnecessário. Mas Raimundo tem consciência que não se pode avançar para outro nível de relacionamento, seja nos negócios, na vida pessoal, igreja ou alguma parceria comunitária, a menos e até que se esteja disposto a abordar de modo apropriado as questões difíceis.  

 

Numa reunião recente, por exemplo, Raimundo persistiu em fazer a mesma pergunta simples, porém penetrante, na tentativa de levar os presentes a encontrarem uma resposta que possibilitaria avançar na discussão. Houve momentos de desconforto, quando alguns participantes foram lembrados a não levar os comentários para o nível pessoal. O estilo de solução de conflitos de Raimundo elevou o nível emocional e aprofundou o envolvimento de cada um. Isto permitiu que a verdade viesse à tona, guiando o grupo em paz, ao encontro de uma solução satisfatória para a matéria em questão. 

 

Às vezes me vejo lutando entre o contraste existente entre o Jesus das Escrituras pregando “Bem-aventurados os pacificadores” (Mateus 5:9),  e o Jesus que confrontou os cambistas e os expulsou do templo com um chicote (Mateus 21:12).  Vemos um equilíbrio entre estas duas abordagens drásticas no trato de conflitos, descritas no plano de longo prazo de Deus, para paz e prosperidade de Sião, como Ele o apresentou pelo profeta Zacarias: “Eis o que devem fazer: falem somente a verdade uns com os outros, e julguem retamente em seus tribunais; não planejem no íntimo o mal contra o seu próximo, e não queiram jurar com falsidade. Porque Eu odeio todas essas coisas, declara o Senhor.”  

 

Se você se encontra em meio a um conflito, ou teme que você ou sua organização estejam à beira de um choque potencialmente danoso, de idéias, objetivos e personalidades, aprenda uma lição com Raimundo. Ele iria encorajá-lo a encarar o conflito quando necessário, falando a verdade em amor e fazendo toda a provisão possível para a paz.

 

 

Legado


 

 

Legado de um Líder

Por Robert J. Tamasy

 

Alguém disse que nos estágios iniciais das carreiras, empresários e profissionais lutam por sucesso: realizações, promoções, recompensas materiais, reconhecimento.

 

Depois, nos estágios finais, mudam o foco para significância, procurando deixar uma marca duradoura e um legado relevante. 

 

Isso parece ser verdadeiro, embora eu tenha visto atualmentente   muitos    líderes   jovens  demonstram   vivo interesse em exercer um impacto significativo em suas comunidades e no mundo. Na Leaders Legacy, organização sem fins lucrativos a que pertenço desde 2001, acreditamos que o teste para o verdadeiro líder não consiste em realizações, riqueza ou status. A medida do grande líder está naquilo que ele deixa para trás. 

 

Tive recentemente um exemplo pessoal disso durante o funeral de meu tio, Joe Tamasy. Ele teve considerável sucesso não apenas como advogado corporativo como também em sua própria banca. Contudo, o maior impacto que causou se manifestou na vida de incontáveis homens, mulheres e crianças, através de sua generosidade, seu incansável modo de servir e sua amizade incondicional. 

 

De muitas formas Joe foi um segundo pai para mim e para seus três netos. Vimos nele um exemplo de diligência, de compromisso com a excelência, de iniciativa e perseverança. Ele serviu sua comunidade de muitas maneiras. Era rápido em auxiliar as pessoas que precisavam, mesmo as que mal conhecia. Acima de tudo, era um modelo do que significa cultivar profunda fé em Deus, o que ia além de palavras, mas em ações concretas.

 

Tesouro verdadeiro! Jesus admoestou a Seus seguidores:“Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração”  (Mateus 6.19-21).  Ganhar o mundo, perdendo a alma? Em outra ocasião Ele os alertou: “Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Marcos 8.36).

 

Pessoas como meu tio compreenderam a verdade desses ensinamentos. CEO’s vêm e passam, mesmo nas mais prestigiadas corporações. A lista das pessoas mais ricas e poderosas mudam todos os anos. Os carros mais modernos e os dispositivos tecnológicos mais recentes que podemos adquirir viram  sucata antes que os decifremos. Mas vida investida em outra vida jamais envelhece nem fica ultrapassada ou perde valor. 

 

A pedra atirada em um lago causa impacto, criando ondulações que se irradiam para fora. É o que acontece com nossa vida quando é entregue e se derrama para enriquecer a de outros, criando ondulações que afetarão a vida de incontáveis pessoas nos anos por vir, mesmo em gerações que ainda nem surgirão.  

 

Não há nada de errado com o sucesso. Na verdade, todos nós devemos lutar por reconhecimento e maximizar as forças, habilidades e talentos únicos que possuímos. Mas se o objetivo do sucesso for auto-gratificação, estaremos defraudando outras pessoas e a nós mesmos. Porém, se pudermos otimizar nossos talentos, habilidades e experiências em benefício de pessoas com quem cruzamos no dia a dia, então estaremos indo além do sucesso e adquirindo significado. E será um passo decisivo na construção de um legado duradouro. 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: